Gatos

A esterilização e castração dos gatos

A esterilização/castração dos gatos pretende atenuar o comportamento relacionado com o cio nestes animais, e, apesar de ser uma operação rotineira, não deixa de envolver os riscos que acarretam uma cirurgia. Com vantagens para a sociedade e para o dono, cabe a este ponderar e decidir sobre os aspetos positivos e negativos de uma esterilização/castração do seu gato.

Superpopulação de gatos

O número de gatos disponíveis para adoção é bastante mais elevado do que o número de pessoas dispostos a adotá-los, por isso, é urgente diminuir a taxa de reprodução dos gatos.

Ao contrário do que normalmente se pensa, o problema da elevada taxa de reprodução dos gatos não está apenas ligada aos gatos de rua. Muitos gatos domésticos entram, muitas vezes, em contacto com estes quando fogem de casa na altura do cio ou quando vivem em estado de semiliberdade, alimentados por um humano, mas com acesso livre ao exterior.

Assim, torna-se responsabilidade dos humanos assegurar que o seu gato não vai contribuir para o aumento deste problema. Segundo a Sociedade Mundial para a Proteção dos Animais, em casos extremos, uma gata pode ser responsável por mais 2000 gatos na família, em apenas dois anos.

A esterilização/castração é uma forma eficaz de impedir que o número de gatos para adoção aumente, diminuindo assim o número de gatos abandonados nas ruas e o número de animais abatidos.

Benefícios para o dono

A esterilização/castração altera o comportamento do gato, mas apenas aqueles diretamente ligados com o seu instinto sexual. Assim, nas fêmeas, comportamentos ligados ao cio, tais como os miados, e, nos machos, a marcação de território deixam de existir ou são atenuados.

É normal que os gatos se tornem mais calmos, embora a esterilização/castração não afete o temperamento que o gato exibe no quotidiano, ou seja, o gato não vai deixar de gostar de brincar, e de fazer as asneiras comuns de quebrar objetos ou pular para cima de tudo.

Benefícios para o gato

Os machos tornam-se mais calmos e menos agressivos para com outros gatos. Este aspeto é muito importante se o gato tiver acesso ao exterior ou se conseguir fugir de casa. As lutas entre machos são a principal forma de transmissão de muitas doenças incuráveis como a leucemia ou a SIDA felina.

Nas fêmeas, a esterilização poupa-as ao stress provocado por cios que não terminam em cópula. Existem também doenças sexualmente transmissíveis nos felinos e uma gata com cio que foge de casa traz geralmente complicações, e uma provável gravidez.

Para além destas vantagens em termos de comportamentos mais seguros, o principal facto que leva os donos a adotarem pela esterilização é mesmo as vantagens em termos de saúde.

Os tumores mamários estão entre os três tipos de tumores mais comuns nas gatas e são, quase na totalidade dos casos, malignos. A esterilização reduz a probabilidade do desenvolvimento deste tipo de tumores porque impede as alterações hormonais que surgem na gravidez que podem contribuir para a formação destes nódulos. Quanto mais cedo for feita a esterilização, menor é o risco de desenvolvimento de tumores mamários. Se a esterilização for mesmo feita antes do primeiro cio, a probabilidade de se formarem tumores é quase nula.

Outras doenças podem também ser evitadas nas fêmeas

A piometra, inflamação no útero, comum nas gatas idosas e que pode ser fatal se não for feita a esterilização; outros tumores, tais como no útero e ovários.

Nos machos, a possibilidade de se desenvolverem tumores nos testículos é eliminada, já que estes são removidos.

Desvantagens da esterilização

Há contudo desvantagens que é igualmente importante considerar, para se poder tomar uma decisão informada.

As infeções urinárias são mais comuns entre os gatos esterilizados/castrados.

Os gatos esterilizados/castrados necessitam de ver a sua dieta alterada pois e ao tornarem-se menos excitáveis e mais calmos, podem tornar-se obesos se a quantidade de ração não for diminuída ou adequada.

A esterilização/castração não deixa de ser uma operação e por isso envolve todos os riscos de uma cirurgia. Contudo é já uma cirurgia rotineira e comum, o que faz com que haja muitos veterinários com bastante prática neste campo. Assim, certifique-se de que escolhe um veterinário competente em quem sente confiança.

A esterilização quando a gata está no cio ou quando se encontra nos últimos dias da gravidez envolve riscos acrescidos. Alguns veterinários preferem esperar algumas semanas para realizarem a cirurgia.

Todas as operações custam dinheiro, no entanto, a esterilização/castração não é uma operação muito cara, já que se tornou bastante banal.

Uma cirurgia implica sempre cuidados pós-operatórios e a esterilização/castração não é diferente. Caso haja a aplicação de pontos externos, deve colocar na gata um colar isabelino, roupa, ou um penso preso com rede, conforme se justificar, para que a gata não consiga chegar aos pontos com a boca. Com pontos absorvíveis pelo sistema, não é necessário preocupações acrescidas para além de administrar a medicação oral.

Os animais geralmente regressam a casa no mesmo dia em que é feita a operação ou no dia seguinte. Os gatos geralmente recuperam bem e muitos mostram-se ativos logo no dia seguinte.

A esterilização/castração é uma decisão irreversível

Por isso, informe-se sobre o que é melhor para si e para o seu gato. Procure falar com pessoas que já esterilizaram/castraram o gato para saber como correu a experiência de cada uma. No entanto, o seu veterinário é quem melhor o consegue informar sobre tudo o que envolve esta cirurgia.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *